RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE: DIÁLOGO COMO FERRAMENTA